Notícias Colunistas Interna

Anuncie aqui

Queda de objetos em condomínio: quem responde?

Com o grande crescimento das cidades, número de construções e programas de moradias também se tornou mais complexa a administração e o atendimento às várias situações que podem envolver os moradores de condomínios edilícios. Uma delas é a queda de objetos em condomínio.

Em regra, tratando-se de condomínio, o síndico é responsável pela maioria das ocorrências que envolvem a vida condominial, sendo uma de suas responsabilidades providenciar as manutenções do prédio, zelar pelo bem-estar coletivo, segurança, entre outras.

Atualmente, é crescente o número de ações judiciais que envolvem quedas e arremessos de objetos pelas janelas dos prédios, e isso tem gerado grandes prejuízos aos condomínios.

 

Queda de objetos em condomínio

Mas quem responde por queda e arremesso de objetos dos apartamentos?

Para ser um bom condômino, não basta apenas estar em dia com o pagamento da sua cota condominial, você também precisa andar de acordo com as regras de convivência em condomínio.

No caso de queda e arremessos de objetos dos apartamentos, há duas hipóteses. Vejamos:

– Possibilidade de identificação do apartamento que deu origem à queda ou arremesso do objeto: sendo possível tal identificação, a responsabilidade é do respectivo condômino.

– Impossibilidade de identificação do apartamento que deu origem à queda ou arremesso do objeto: não sendo possível identificar o apartamento causador do dano, a responsabilidade é do próprio condomínio.

E, entre as hipóteses acima referidas, há de se observar as suas classificações:

– Objetos que são arremessados: neste caso, existe a intenção de arremessar um objeto como, por exemplo, bituca de cigarro;

– Objetos que caem acidentalmente: nesse caso, mesmo que não haja a intenção de arremessar um determinado objeto como, por exemplo, um vaso de flor que estava na janela, o morador assume o risco por seu ato.

Na prática, ambos são passíveis de punição administrativa, com a aplicação de multa punitiva condominial.

Tal multa poderá constar na convenção ou regimento interno do condomínio, bem como poderá ser aplicada diretamente pelo síndico ao tomar conhecimento do fato.

Desse modo, a identificação do apartamento infrator é fundamental, pois é através dela que, além da multa administrativa, o condômino responderá pelo risco do dano causado.

Assim, se o dano for interno, a resolução se dará de forma administrativa, porém se externo e envolver terceiros, pode-se buscar o amparo do Poder Judiciário.

Importante saber que, em ambos os casos, também é possível acionar o seguro do condomínio.

Resolvendo os problemas na prática

 

Caso o condomínio não identifique o apartamento de onde caíram ou foram arremessados os objetos, aquele assumirá o dano, sendo a despesa rateada entre os condôminos.

Ainda, quando a ocorrência envolver terceiros, há de se ter muita cautela ao fornecer dados cadastrais do condômino infrator.

Atualmente, a fim de evitar a responsabilidade civil, a maioria dos condomínios, tem inserido cláusulas punitivas no seu regimento interno. Considerando-se que o trabalho de fiscalização do prédio deve ser realizado pelo síndico, funcionários e condôminos.

Se o problema da queda for decorrente da falta de conservação da fachada, a responsabilidade é do condomínio. Não impedindo que o morador providencie os reparos, em caso de urgência, e após solicite o respectivo reembolso.

Apesar da queda e arremesso de objetos ser um grave problema, colocar câmeras de monitoramento pode ser uma solução eficaz. A dica é colocar no topo do condomínio ou até mesmo no térreo virada para cima.

A vida em condomínio implica direitos e deveres. Sendo necessário que cada um respeite seus limites e os limites dos demais moradores.

Um bom trabalho de conscientização junto aos condôminos pode trazer grandes mudanças de comportamento. Podendo evitar situações desagradáveis que possam trazer algum tipo de risco ou prejuízo.

Portanto, caberá ao síndico avaliar cada ocorrência sempre buscando a melhor solução para cada situação de conflito. A fim de que uma questão simples não se transforme em uma ação judicial contra o condomínio.

Conheça nosso Blog e cadastre-se para receber gratuitamente conteúdos e atualizações. http://simonegoncalves.com.br/blog/

 

SIMONE GONÇALVES
Advogada OAB/RS 74.437
Email:contato@simonegoncalves.com.br
www.simonegoncalves.com.br

 

 


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *