como fazer condominio

Aquecimento do mercado imobiliário gera aumento no número de golpes

De 2007 a 2012 subiu em 42,3% o número de autuações por exercício ilegal da profissão. Veja abaixo algumas dicas para não ter problemas.

O mercado imobiliário está aquecido nas capitais do Brasil. Quase um milhão de casas e apartamentos financiados no ano passado. Mas é preciso ficar atento na hora de fechar o negócio. Nos últimos anos vem aumentando o número de pessoas que se passam por corretores para aplicar golpes.

Aposentados, com uma reserva de dinheiro e um sonho: uma casa na praia. Os amigos José Alberto e Jackson se entusiasmaram pelo mesmo anúncio: condomínio à beira mar, em Araruama, no litoral fluminense. Conheceram o lugar, gostaram da proposta dos corretores e fecharam o negócio.

Com os contratos de compra e venda assinados, registrados em cartório, fizeram os pagamentos da entrada e das prestações. O tempo foi passando, e a expectativa de ter uma casa na praia a cada dia ficou maior.

Mas alguns meses depois, a decepção. Tanto José Alberto como Jackson tinham caído em um golpe imobiliário. Nunca mais encontraram os corretores nem o dono da imobiliária. José Alberto já tinha pagado R$ 9 mil, e Jackson, R$ 24 mil. Agora só restam papéis sem importância, registros que nada valem.

“É uma sensação terrível de perda, e isso me deixou muito frustrado”, afirma José Alberto Queiroz.

“A gente fica desprotegido, chateado, vendo se vai haver uma justiça, se essas pessoas que fizeram isso vão ser encontradas e ressarcir o que foi pago”, lamenta Jackson dos Santos.

A corretora que vendeu os imóveis ficava em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense. Os vizinhos preferem não comentar, só sabem que o escritório fechou de uma hora para outra. Claudia trabalha na mesma rua e já viu muita gente procurar pelos corretores.

O Conselho Federal de Corretores de Imóveis constatou que de 2007 a 2012 subiu em 42,3% o número de autuações por exercício ilegal da profissão. Por isso antes de fechar uma compra consulte o conselho de seu estado para saber se o corretor e a imobiliária são idôneos. Pergunte ao Procon se existe alguma queixa e nunca se esqueça: negócio fechado só com contrato assinado.

“Nos temos CREs instalados em todos os estados, com muitas delegacias, e as pessoas têm esse serviço à disposição para precaver problemas ao negociar um imóvel”, ressalta João Teodoro.

Fonte: Bom Dia Brasil

Como conseguir mais uma vaga de carro no condomínio

Ao comprar ou alugar um imóvel, o número de vagas disponíveis ao cliente pode ser menor do que a necessidade do cliente.

É possível alugar vagas nos condomínios. Para ter segurança, melhor consultar um advogado e fazer um contrato de locação. Há condomínios que fazem leilão de vagas, quando há muita concorrência

A frota de veículos em Fortaleza cresceu 90% nos últimos dez anos. Para acompanhar o mercado automotivo, o setor imobiliário também teve de acelerar. A demanda de uma família de classe média na Capital é por três vagas de garagem, segundo perfil traçado pelo Conselho Regional de Corretores de Imóveis no Ceará (Creci-CE), que considera um casal com um filho. Para quem não dispõe desse espaço, alugar vagas é uma solução.

Para a família do engenheiro químico Ednard Freitas, que mora na Praia de Iracema, o cálculo para comportar os três carros com segurança é um desafio. “No nosso condomínio, é só uma vaga por apartamento. Então conseguimos alugar mais uma, por R$ 90 mensais”.

O terceiro carro tem que ser estacionado na rua mesmo ou, quando possível, na única vaga rotativa que tem no edifício. O ideal, conforme explica, é alugar outro lugar na garagem, mas como nenhum atualmente está disponível, Ednard cogita a possibilidade de deixar o carro em um estacionamento próximo ao edifício.

De acordo com Edmar Oliveira, consultor comercial do Grupo GestArt, especializado em apoio operacional em condomínios, os preços das locações variam de acordo com o padrão do condomínio, a localização da vaga, a quantidade total de espaços que o condomínio dispõe, como também as relações pessoais entre os condôminos e o grau de necessidade do locador e locatário – se é alguém conhecido e amigo, se tem interesse em lucrar disponibilizando a vaga ou, por outro lado, está disposto a pagar mais para poder aproveitar o espaço. Oliveira afirma já ter registrado cobranças mensais de R$ 100 – na Cidade dos Funcionários – a R$ 600 – em um edifício no Meireles.

O gerente comercial Gerleon Filho, 27, aluga duas vagas na garagem de seu prédio desde que mudou para o endereço atual, há três anos. Ele paga R$ 100 pelo espaço, mas já há a previsão de reajustar para o dobro do valor, por causa da concorrência com outros vizinhos, que também pretendem alugar.

Quando Gerleon e sua família foram comprar o apartamento, levaram em consideração a quantidade de espaços na garagem. “Mas condomínio acima de duas vagas não cabia no nosso orçamento”, explicou. Ele não tem contrato de aluguel, mas já chegou a alugar por dois anos outro espaço com contrato.

Leilão como opção

Uma alternativa encontrada pela síndica de um edifício no Meireles foi transformar uma área “não utilizada” em cinco vagas de garagem e abrir um leilão. Os condôminos, segundo explica, chegam a disputar espaço na rua, em frente a guarita do prédio, pela falta de vagas para todos.

Fonte: O Povo

Cuide de seu condomínio



Mais serviços para você

Comendador
Floriano